PORTAL DOUGLASCORDEIRO.COM
GOVERNO DO ESTADO

Audiência pública discute esgotamento sanitário

O secretário de Governo, James Rodrigues lembrou que em outras cidades, como é o caso de Teresina, não há qualquer problema com as estações elevatórias, próximas à população

Por Redação
09/10/2017, às 22:10 - Atualizado em 09/10/2017, às 23:10

Uma audiência pública na Câmara de Floriano na manhã desta segunda-feira (09/10), tratou sobre os impactos ambientais do esgotamento sanitário, especificamente no bairro São Cristóvão, onde foi construída uma Estação Elevatória. Participaram da audiência o secretário de Governo James Rodrigues, representante da Codevasf, Francisco das Chagas e da Construtora Jurema, empresa responsável pela execução da obra, Aloísio Matos além dos secretários de Infraestrutura, Marcony Alisson e de Meio Ambiente, Manuela Simplício.

Câmara Municipal de Floriano

Vereadores da bancada de oposição ao governo municipal e representantes do bairro São Cristóvão contestaram o motivo da construção de uma estação elevatória no bairro, alegando riscos de prejuízos ambientais e à saúde pública da população. Os especialistas explicaram que o local foi escolhido a partir de um estudo técnico e aprofundado da Codevasf, cuja topografia indicou o ponto exato, mais baixo, que receberá o esgoto, para de lá bombeá-lo para as lagoas de tratamento, na região da comunidade Bom Jardim, e que não haverá impactos para a população. 

Audiência pública tratou sobre os impactos ambientais do esgotamento sanitário

O secretário de Governo, James Rodrigues lembrou que em outras cidades, como é o caso de Teresina, não há qualquer problema com as estações elevatórias, próximas à população, e que as pessoas estão confundindo estação de tratamento de esgoto, com estação elevatória. James também lembrou da importância do esgotamento para Floriano, um projeto orçado em em 75 milhões de reais, que contempla a construção de estações elevatórias de esgoto e estação de tratamento de esgoto (ETE), linhas de recalque, emissários e ligações domiciliares, cuja previsão é de entrar em funcionamento, em sua primeira etapa, em no máximo um ano.

"A obra que irá beneficiar 80 mil pessoas em Floriano e iniciada pelo prefeito Joel permaneceu parada durante quatro anos, na gestão anterior, mas sua execução foi novamente autorizada, depois que ficou constatado que não houve irregularidades no projeto. A ordem de serviço foi assinada em 8 de julho de 2017”, disse o secretário de Governo.

nossas redes sociais