PORTAL DOUGLASCORDEIRO.COM
GOVERNO DO ESTADO

Ciro Gomes: "O PMDB precisa ser espancado do poder"

Ele referiu-se ao núcleo duro do atual governo como “Michel Temer e sua corja” e deixou claro que não quer qualquer aproximação com o partido

Por Tarcio Cruz
11/10/2017, às 02:10

O pré-candidato à presidência da República, Ciro Gomes, que esteve no Piauí nesta terça (10/10) para participar da convenção do PDT (Partido Democrático Trabalhista, não poupou críticas ao partido do presidente da República. O ex-governador atacou duramente o PMDB e chamou de quadrilha a ala da sigla que é favorável a Michel Temer. 

Ele referiu-se ao núcleo duro do atual governo como “Michel Temer e sua corja” e deixou claro que não quer qualquer aproximação com o partido.

“Eu acho que o PMDB, salvo exceções, este centro do PMDB que o Michel Temer representa, é uma quadrilha, não é um partido político. O Brasil precisa espancar esta quadrilha do poder. Eles estão fazendo um mal muito grave ao Brasil. Temos mais de 14 milhões de brasileiros desempregados e já são dez milhões de brasileiros empurrados para a informalidade. Todo dia é a notícia infame da corrupção, da ladroeira encastelada no centro do poder, pela primeira e pela segunda vez, na história do Brasil em mais de 500 anos, um presidente do país é processado pela Procuradoria-Geral da República”, denunciou Ciro Gomes.

Presidenciável Ciro Gomes

ALIANÇA COM O PT

Sobre um provável aliança com o PT, o presidenciável revelou que acredita ser possível que os dois partidos caminhem juntos nas próximas eleições.

“Por regra nós somos parceiros por aí a fora. O Partido dos Trabalhadores é do campo progressista onde nós nos situamos e podemos ser parceiros como fomos em outras ocasiões. Haverá uma tensão nestas eleições agora porque apresentaremos uma candidatura do PDT e o PT vai apresentar uma candidatura também. Aqui temos a autonomia do nosso diretório estadual que saberá conduzir as coisas com a habilidade necessária. Faremos um debate respeitosamente e respeitaremos aquilo que é uma inerência da história brasileira”, afirmou.

nossas redes sociais