PORTAL DOUGLASCORDEIRO.COM

Em Teresina, Marina Silva desceu do muro e está pronta para guerra

A presidenciável deu uma prévia de que em um novo partido e sem as amarras preestabelecidas está com o discurso afiado

Por Wesslley Sales
16/05/2018, às 13:05

Não dá para negar. Marina Silva tem evoluído em discurso e votação desde a sua primeira tentativa de chegar à Presidência da República. Em 2010, quando ainda estava no Partido Verde, foram 19,6 milhões de votos e, na eleição seguinte, pelo PSB, assumiu a cabeça de chapa após a morte de Eduardo Campos, chegando a mais de 22 milhões de votos. O que muda agora com a REDE Sustentabilidade?

No passado Marina Silva pouco reagia às provocações dos adversários. Ela também não se sentia confortável em trabalhar com apoios costurados pelo PSB, ainda com Eduardo Campos candidato à Presidência. Sua campanha ficou marcada ainda por incoerências, como a de subir no palanque de adversários históricos da esquerda, como o do catarinense Paulo Bornhausen, filho do ex-governador Jorge Bornhausen, ex-presidente do PFL e a Aécio Neves (PSDB), no segundo turno contra Dilma Rousseff (PT).

Presidenciável Marina Silva / Foto: Correio da Bahia

Em Teresina, Marina Silva desceu do muro e posicionou a si e ao partido de forma veemente ao responder aos jornalistas. Sobre Aécio afirmou que em 2014 ninguém sabia de suas peripécias com dinheiro público mostradas pela Lava Jato e, portanto, se fosse hoje não o apoiaria. Ela foi além. Criticando PT, PSDB, MDB e DEM, afirmou que ela e a própria REDE tem feito todo um trabalho de combate à corrupção e por isso é vítima de fake news com o objetivo de confundir o eleitorado quando a sua candidatura.

Ela reafirmou que sua candidatura é independente e que o leque de alianças prioritários é com os mesmos partidos da última eleição, PHS / PRP / PPS / PPL / PSB / PSL. Marina fez duras críticas ao que chamou de erros políticos que citando como exemplo o “Bolsa Empresário” e a construção da Usina de Belo Monte. A pré-candidata analisou de forma rápida a possibilidade de Lula ser candidato. Para ela, a justiça é clara e deve ser obedecida, em uma referência à Ficha Limpa.

Sua proposta é de renovação apoiada por movimentos como Agora! e RenovaBR. Além disso, mostra estar em sintonia com a manutenção e aprimoramento do Bolsa Família, além de defender outras formas de geração de emprego e renda sobretudo no sertão nordestino. Marina Silva deu uma prévia de que em um novo partido e sem as amarras preestabelecidas está com o discurso afiado. Em um cenário sem Lula, chegando em segundo e próximo ao melhor colocado, ela deixa claro que não se esquivará de polêmicas para chegar à Presidência do Brasil.

nossas redes sociais