O PMDB do Piauí virou novela. A história eu conto agora

O final da trama é a eleição do próximo ano e o cenário atual mostra que os atores principais trilham caminhos diferentes

Por Douglas Cordeiro
09/08/2017, às 23:35 - Atualizado em 09/08/2017, às 23:50

Como vai terminar a novela que tem como personagem principal o PMDB do Piauí? Como acontece nos folhetins modernos onde o enredo é divido por núcleos, aqui também não é diferente. Temos o núcleo João Henrique, o núcleo Marcelo Castro e o núcleo central com Themístocles Filho, João Mádison, Mauro Tapety, Severo Eulálio, Zé Santana e Pablo Santos.

O final da trama é a eleição do próximo ano e o cenário atual mostra que os atores trilham caminhos diferentes. O núcleo central quer a coligação com o PT tendo Themístocles como candidato a Vice-Governador. Marcelo também quer a coligação mas comenta-se que sonha em candidatar-se ao Senado. Já João Henrique caminha na contramão de todos e busca ser o personagem principal.

Themístocles Filho, Presidente da Assembleia Legislativa do Piauí

E é justamente o ex-ministro que tem aparecido mais nos últimos dias. Na última terça-feira, levou uma comitiva de prefeitos para um encontro com o presidente Michel Temer onde além dos pedidos feitos pelos gestores, tratou-se do posicionamento do PMDB no próximo ano. O senador Romero Juca, que preside nacionalmente o partido, disse que vai solicitar da executiva nacional que proíba coligações com o PT e o PC do B.

João Henrique / FOTO: GP1

O núcleo central reagiu e João Mádison disse que tudo não passou de “conversa fiada”. Themístocles Filho disse que essa decisão não será tomada por Jucá e sim por um conjunto de líderes do partido.

E Marcelo Castro? Bom, o silêncio que o parlamentar adotou na votação do processo contra Temer continua. Ninguém sabe, ninguém viu. É o núcleo, digamos, mais misterioso do momento e que aparece menos também. Mas, do jeito que as coisas andam, ele pode ressurgir e surpreender a todos.

Deputado Federal Marcelo Castro (PMDB-PI)

Como um mero espectador que acompanha compulsivamente essas histórias não posso deixar de dar alguns palpites. Quem não já deu seus pitacos em novelas que atire a primeira pedra.

Pela lógica e política nem sempre é lógica, pelo menos não a nossa, simples mortais, o núcleo central deve ter um final feliz. Por uma série de razões que vamos discutir depois. Deve mesmo prevalecer a coligação com o PT. Quantos aos dois outros núcleos, devem continuar como estão. Marcelo candidato a reeleição e João Henrique no cargo que ocupa no governo Temer.

Só nos resta aguardar as cenas dos próximos capítulos.

nossas redes sociais