Piauiense, vítima de Palocci, vai receber R$ 400 mil

Em seu depoimento, comprovou que o ex-ministro da Fazenda mantinha encontros com lobistas que buscavam influenciar em decisões do Governo Federal

Por Wesslley Sales
26/09/2017, às 00:03

Francenildo Santos, caseiro que em 2006 desmontou esquema de Antônio Palocci investigado pela CPI dos Bingos, vai receber indenização da editora Globo que no valor de R$ 400 mil, mas com juros de mora, pode chegar a R$ 1 milhão. A decisão é da 14ª Vara Civil de Brasília.

É a vitória de um cidadão simples, mas com atributos que faltam a boa parte da tão malhada classe política. É muito mais que o dinheiro que, claro, vai ajudar muito. É a verdade fazendo ajoelhar a força econômica e influência do então todo poderoso Ministro da Fazenda e agora de um dos maiores conglomerados de comunicação do mundo.

É também um case importante para o jornalismo afoito em tempo de fake news, onde estudo da Universidade de São Paulo aponta que no país são quase 12 milhões de internautas bombardeando as redes sociais com notícias falsas. No caso Francenildo, a justiça condenou a Época alegando que a revista “ultrapassou os limites de divulgação da informação (...).

Francenildo Santos / Foto: Brasil 247

Francenildo foi peça chave para derrubar o Ministro da Fazenda durante as investigações da CPI dos Bingos. Em seu depoimento comprovou que Antônio Palocci mantinha encontros com lobistas que buscavam influenciar em decisões do Governo Federal. O local escolhido foi um sítio em que o piauiense trabalhava como caseiro.

Com apoio da CEF Palocci conseguiu informações sigilosas da conta bancária de Francenildo e afirmou que ele teria recebido dinheiro para incriminá-lo. Mais tarde ficou provado que o saldo havia sido depositado pelo pai do caseiro.

Com 24 anos à época e um salário de apenas R$ 370 como caseiro, Francenildo Santos deve demorar ainda muito tempo até receber o que lhe é devido por seus algozes. A Caixa Econômica recorreu da condenação, mesmo caminho que deve ser tomado pela editora Globo. 

nossas redes sociais