PORTAL DOUGLASCORDEIRO.COM

Povo divido e ânimos à flor da pele. 2018 termina como 2014

Antes da crucificação, não, não estou falando do futuro presidente da República mas do risco do país sair, mais uma vez, mergulhado em clima de guerra

Por Douglas Cordeiro
21/10/2018, às 09:10 - Atualizado em 21/10/2018, às 03:10

O clima de acirramento político no Brasil não é de hoje. Muitos duvidaram inclusive que as eleições pudessem acontecer. Aqui estamos nós, na reta final do segundo turno, com um cenário praticamente definido e com um futuro de incertezas. Antes da crucificação, não, não estou falando do futuro presidente da República mas do risco do país sair, mais uma vez, mergulhado em clima de guerra indefinida tirando o foco do que realmente é importante, o nosso futuro.

Faltando uma semana para o dia da votação, esta parece não ser uma preocupação para os candidatos que disputam o segundo turno. Os dois protagonizam ataques no horário eleitoral, nos discursos de campanha e nas redes sociais.

Não se trata aqui de minimizar, por exemplo, a facada da qual o candidato Jair Bolsonaro foi vítima. Aliás, a Revista Crusoé traz uma reportagem especial mostrando que a investigação da Polícia Federal aponta para a possível participação de uma facção criminosa. Caso o atentado tivesse sido uma ação isolada já seria um fato de extrema gravidade e se os indícios de um envolvimento do crime organizado forem confirmados a situação merece uma intervenção drástica do poder público.

Também não se pode minimizar os atos de intolerância política em vários cantos do país. Agressões físicas, xingamentos, perseguições.

Pior do que isso, partidários ocupam as mídias sociais para criarem situações de pânico, convocando aliados para lutarem contra supostos golpes que estariam sendo planejados e seriam nestes últimos dias de campanha.

Todo cuidado é pouco. Muitas vezes, sob a argumentação de preservar a democracia, criam-se situações que podem, na verdade, influenciar a livre consciência do eleitor que deve fazer a sua escolha de forma independente. Escolha que deve ser respeitada, seja ela qual for.  

nossas redes sociais

vídeos mais vistos