PORTAL DOUGLASCORDEIRO.COM

Reuniões, acordos, conversa. Eleição no Piauí na reta final

Com os prazos se esgotando os próximos dias serão de muitas definições e por que não, de muitas surpresas também

Por EDITORIA DE POLÍTICA
21/07/2018, às 15:07 - Atualizado em 23/07/2018, às 00:07

Wellington Dias anuncia, na próxima terça-feira (24/07), a chapa majoritária e o "chapão" para as candidaturas proporcionais.

A formação, é a mesma anunciada na reunião com o MDB, no Palácio de Karnak, com o atual governador candidato a reeleição, Regina Sousa como vice, senador Ciro Nogueira concorrendo a mais um mandato e Marcelo Castro para o Senado Federal.

Na última entrevista, o Deputado Federal Marcelo Castro disse que faltava apenas um detalhe para fechar questão no MDB. Todo o esforço do presidente da executiva regional do partido é dialogar com Themístocles Filho na tentativa de que ele siga com o partido nesta noa empreitada. O final de semana ainda será de muitas conversas com o objetivo de remover arestas. O presidente da Assembleia Legislativa vai buscar a renovação do seu mandato e a eleição do filho, o advogado Marcos Aurélio, deputado federal.

No PT, com o fim da "chapa pura", o momento é de conversação e de redefinição de estratégia. Fala-se em redução no número de candidatos e até mudança de nomes. O partido tem feito reuniões nos últimos dias, principalmente, visando o encontro de táticas eleitorais quando vai ocorrer a votação dos 250 delegados.

Reta final de definições

Alguns partidos da base governista ainda não se pronunciaram sobre a ampla coligação. O PTC de Evaldo Gomes e o PRTB de Fernando Monteiro, siglas que desde o início defendiam a "chapinha", união com um determinado número de partidos.

Na coligação do pré-candidato Luciano Nunes falta definir o nome da vice, que inclusive, já foi anunciada pelo prefeito de Parnaíba, Mão Santa e deverá ser sua filha, Cassandra Moares Souza.

O senador licenciado, Elmano Férrer, é o pré-candidato que ainda precisa de muita articulação para fechar a sua chapa. Falta um vice. Dr. Pessoa, que concorreria a uma cadeira no senado, pode candidatar-se ao governo ou a deputado federal. Caso concorra a governador, Elmano perde um aliado e as duas vagas da chapa para senador ficam vazias. Frank Aguiar disse que disputaria na segunda vaga mas isso implicaria em uma saída do PRB da base do atual governo o que não foi confirmado até agora.

Os partido emergentes ainda batem cabeça para saber quem se coliga com quem e quais candidaturas majoritárias vão apoiar.

Os próximos dias serão de muitas definições e por que não, de muitas surpresas também.

nossas redes sociais