Estratégias para 2020 analisam cenário com ou sem candidato do PT

A movimentação e as articulações estão se intensificando e todo mundo conversando com todo mundo, afinal, 2020 já começou

Por Wesslley Sales
06/07/2019, às 12:00 - Atualizado em 06/07/2019, às 03:52

Historicamente o Partido dos Trabalhadores mantém candidatura própria à Prefeitura de Teresina. O próprio Governador Wellington Dias, por exemplo, já entrou na disputa e foi derrotado duas vezes, uma em 2000 para Firmino Filho e 2008 para Sílvio Mendes, ambos do PSDB.

E agora, em 2020, o partido continua sonhando em comandar o Palácio da Cidade? Claro que sim. Isso se depender de alguns nomes que já começam a se mobilizar para o pleito, mas a disputa interna tem sido pesada com pelo menos cinco pré-candidatos, como o vereador Edilberto “Dudu” Borges. Já o deputado Estadual Franzé Silva, tem declarado que só encabeça a candidatura se o partido unir-se em torno do seu nome.

Porém, tem fortes correntes remando contra a candidatura própria. O argumento é que o PT já tem o Governo do Estado e a Vice-governadoria. Além disso, o partido trabalha para ter a Presidência da Assembleia Legislativa. Desta forma, seria melhor apoiar um dos partidos aliados e seguir com outra estratégia para a Prefeitura, indicando um vice, ao MDB, PL ou PSD, por exemplo. 

“Não podemos querer tudo”, avalia a liderança.

Por outro lado, lideranças do PL, PSD e do MDB avaliam que a candidatura própria do Partido dos Trabalhadores seria importante. Independente do nome, o PT entra mais fortemente nas bases do PSDB, o que seria estrategicamente melhor para a oposição. A movimentação e as articulações estão se intensificando e todo mundo conversando com todo mundo, afinal, 2020 já começou.

Prefeitura de Teresina / Foto: GP1

nossas redes sociais