Dessalinizadores de água chegam ao sertão do Piauí

Na primeira etapa estão sendo instalados 67 sistemas de em cidades como Vila Nova do Piauí, Queimada Nova, São Francisco de Assis do Piauí e Campo Alegre do Fidalgo

Por Wesslley Sales
10/12/2018, às 12:30

Uma das promessas do presidente Jair Bolsonaro para o Nordeste já é uma realidade no sertão do Piauí através do projeto "Água Doce". Pelo menos 77 comunidades em 12 municípios são beneficiadas com dessalinizadores de água. Nesta primeira etapa estão sendo instalados 67 sistemas de em cidades como Vila Nova do Piauí, Queimada Nova, São Francisco de Assis do Piauí e Campo Alegre do Fidalgo.

“Tenho 71 anos e só agora estou bebendo água doce na minha casa. Toda minha vida só bebi água salobra. No começo não acreditei no projeto, hoje vejo o sonho ser realizado com essa máquina que tira o sal da água”, comemora seu Martins Adão, morador da comunidade Barro Vermelho, zona rural de Campo Alegre do Fidalgo.

Martins Adão

Manoel Sudário, morador da comunidade Barreiro Fechado, de Campo Alegre do Fidalgo, criticou a qualidade da água.

“Sempre foi salobra em todo poço que a gente cava aqui. As pessoas sempre tiveram problema de rins e coração por isso. Eu mesmo já adoeci. Agora, esse projeto garante água de qualidade na porta da minha casa. Vem gente de vários locais pegar água aqui depois da instalação do dessalinizador”, atesta seu Manoel Sudário.

Manoel Sudário

A tecnologia é fruto de uma parceria entre o Ministério do Meio Ambiente e o Governo do Piauí, através do Emater, onde estão sendo investidos mais de R$ 10 milhões com contrapartida do Estado. Cabe às prefeituras garantir a energia para o funcionamento dos dessalinizadores e as comunidades zelar pelo equipamento e o projeto Água Doce.

Dessalinizadores de água

“Cada um que é beneficiado faz sua contribuição mensal de R$ 10, o que é pouco para os 480 litros de água doce a quem eles têm direito. Foi uma benção receber esses dessalinizadores em nossas comunidades. Éramos reféns dos carros pipas, que traziam água de longe e a peso de ouro, mas era salobra”, afirmou Valdivino José, membro do Comitê gestor do projeto Água Doce em Campo Alegre do Fidalgo.

O diretor do EMATER, Marcos Vinicius, detalha o processo aplicado na água.

“O processo é chamado de osmose reversa, garantindo a retirada do sol da água, mas deixando nutrientes importantes para a saúde dentro dos padrões exigidos pela Agência Nacional de Águas, garantindo produto pronto para o consumo humano. Agora, vamos ampliar o programa e já trabalhar com o rejeito desta água, a parte salobra, para projetos produtivos como a criação de peixes”, disse Marcos Vinicius.

Marcos Vinicius

Até o final de dezembro o Governo do Estado faz inauguração dos sete sistemas de dessalinização de água em comunidades rurais de Campo Alegre do Fidalgo.

nossas redes sociais