MENU mobile

Conheça os detalhes da investigação que prendeu policiais no Piauí

No final de fevereiro um usuário de drogas nos procurou com medo de morrer e afirmou que policiais estariam protegendo traficantes

Na semana passada a Polícia Civil do Piaui realizou uma operação que resultou na prisão de 13 policiais militares e 1 civil por diversos crimes, entre eles, homicídio, pistolagem e estelionato. Em entrevista exclusiva ao Portal Douglas Cordeiro, o delegado da cidade de José de Freitas, região metropolitana de Teresina, Odilo Sena, deu detalhes da investigação e como ela começou a ser trabalhada naquela área.

Por lá, as investigações começaram com a denúncia de um usuário de drogas, que após isso sumiu.

Com o tempo, eu entendi que aquele homem estava realmente com medo de morrer, que a história dele batia com o que foi apurado posteriormente. Até a descrição física que ele fez dos policiais batia com essas pessoas investigadas.

Portal Douglas Cordeiro - Delegado, o senhor falou que foi uma investigação difícil, mas a partir de que ponto a polícia começou a desconfiar de que policiais estariam atuando de forma criminosa? Qual foi o ponto de partida dessa investigação?

Delegado Odilo Sena - Tudo começou no final de fevereiro quando um usuário de drogas nos procurou com medo de morrer. Em razão desse fato eu disse para ele não se preocupar que iríamos trabalhar no caso. Eu tentei proteger o máximo esse rapaz, ele dizia que tinha medo de morrer por conta de dívidas com traficantes. Disse a ele que abriríamos uma investigação, descobrir quem são os traficantes, ou seja, tomar as providências. Só que ele disse que não queria investigação porque policiais estariam protegendo os criminosos. Peguntei detalhes e ele respondeu que tinham policiais que estavam protegendo os traficantes. Perguntei se era polícia fardada ou polícia sem farda e ele respondeu que era policia fardada. No dia seguinte esse homem simplesmente desapareceu, eu não conheço, ele não tem família, não sei se ele foi embora, eu não sei se ele morreu, nada. Já vasculhamos a área inteira atrás desse sujeito, nada, ninguém fala nada sobre ele. Nós ficamos com a pulga atrás da orelha, o tempo foi correndo e sempre policiais militares e policias civis traziam informações a respeito de maus policiais estariam envolvidos com traficantes aqui da área. Além de estarem envolvidos com tais traficantes, também estariam extorquindo outros traficantes. Eu entrei em contato com o comandante Wilton (8° BPM), ele nos deu todo apoio, nos colocou toda estrutura do oitavo batalhão, para ajudar na identificação desses policiais, e assim foi feito.

Portal Douglas Cordeiro - Delegado, especificamente em relação a esse usuário, estava sendo cobrada uma dívida de droga dele?

Delegado Odilo Sena - Não deu para apurar, porque esse sujeito desapareceu. Isso foi em um dia, que eu mal tinha chegado aqui na delegacia esse sujeito me apareceu, e no dia seguinte esse sujeito simplesmente desapareceu. O interessante é que, como ele não tinha documento e a história dele era muito grave, porque como é viciado e a gente já conhece a situação, muitas vezes eles falam mentiras. Mas, no decorrer do tempo eu entendi que naquele dia, aquele homem estava realmente com medo de morrer, que a história dele batia com o que foi apurado posteriormente. Até a descrição física que ele fez dos policiais batia com essas pessoas investigadas mais no futuro.

Só que a polícia está dando um show de honestidade e de honra ao trabalho, coisas que eu não vejo muito em outras instituições, infelizmente.

Portal Douglas Cordeiro - Como é que funciona esse esquema? Os policias davam, de uma certa forma, segurança aos traficantes e aos mesmo tempo extorquiam os traficantes e usuário?

Delegado Odilo Sena - A nossa área é uma área maravilhosa, é uma área de refúgios, sítios. E o que acontece aqui por há muito tempo, vamos falar a verdade, a polícia não trabalhou aqui, não houve um trabalho sério de polícia investigativa, um trabalho que pudesse conter possível crescimento do tráfico de drogas, de roubos, enfim. Isso simboliza, de uma certa maneira, que o tráfico aqui se tornou endêmico, nesse panorama existem os grandes traficantes, dois ou três, e o resto são boqueiros. Então esses policias ofereciam serviço para um desses traficantes, enquanto os outros eram algozes dos outros traficantes, ou seja, pela investigação ficou consignado que eles ofereciam serviço, que na gíria policial nós chamamos de quebrar boca, eles iam à boca do traficante rival, tomavam as armas, tomavam a droga, dinheiro e deixavam aquela área livre para o domínio do traficante para qual eles estavam trabalhando, conforme os laudos do inquérito policial. Agora, eles prendiam o traficante, tinham presos, desde que não sejam os traficantes para qual eles trabalham, de acordo com os depoimentos que nós temos aqui, inclusive dos próprios colegas policiais militares.

Portal Douglas Cordeiro - Como é que foi esse trabalho em José de Freitas? Teve um preso, inclusive, que parece que é pastor evangélico. Imagino que não deve ser fácil para um delegado prender um policial, alguém que trabalha na força de segurança civil, da forca de segurança do estado do Piauí.

Delegado Odilo Sena - É uma investigação muito triste né, uma investigação difícil de fazer, é constrangedora. Eu fui militar por duas ocasiões, uma vez foi na Marinha do Brasil, por outra vez na força aérea brasileira, eu conheço a caverna, eu sei como são os códigos, os princípios, os valores que nos são colocados para que um militar possa seguir sua carreira e servir a pátria, o estado, o local em que ele trabalha. Foi uma investigação difícil, porque envolve pessoa que trabalha conosco no dia-a-dia, não só apenas esses policiais, outros policiais também estão nessa mesma situação, esperamos que com essas prisões essas pessoas possam refletir a respeito de suas atitudes. Mas a nossa delegacia é pequena, afastada, até um pouco esquecida. A gente começou a investigação no começo do ano, uma investigação difícil, que os próprios colegas não querem participar, vão porque são obrigados por lei, é um "custos lexa" que a gente chama, é um ente publico, que eles têm que fazer, porque se não eles mesmos respondem, aqueles que são honestos. E assim, os desonestos colocam os honestos em uma situação difícil perante a sociedade, porque a sociedade já sabe, as pessoas já sabem do proceder desses mal policias, não só os daqui, em qualquer lugar, porque eles atuam junto a comunidade e essas pessoas acabam jogando o nome da policia, não só a civil, porque muitas vezes o povo, de maneira geral, eles não conseguem distinguir o que é polícia civil, polícia judiciária, e o que é polícia militar ou ostensiva, não consegue distinguir, a população de maneira geral entende que polícia é polícia e pronto. Só que infelizmente nós temos maus indivíduos, maus profissionais, tanto na Polícia Civil, como na Polícia Militar, como na Polícia Federal, como no Ministério Público, tem em todo lugar. Só que a polícia tá dando um show de honestidade e de honra ao trabalho, coisas que eu não vejo muito em outras instituições, infelizmente.

Fotos cedidas pelo Portal GP1.

© 2020 . Portal Douglas Cordeiro - Os Bastidores da Notícia. Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reeescrito ou redistribuido sem autorização.