Marcelo Castro: "Rejeição de coligações fortalece partidos"

O texto precisa ser promulgado até 2 de outubro para que as regras tenham validade já nas eleições de 2022

24 de setembro de 2021, às 10:00 | Douglas Cordeiro e Tarcio Cruz

PASSANDO A RÉGUA

O Senado aprovou, em dois turnos de votação, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que trata da reforma eleitoral, rejeitando o retorno das coligações nas eleições proporcionais (deputados e vereadores). 

Com a aprovação, o texto precisa ser promulgado até 2 de outubro para que as regras tenham validade já nas eleições de 2022.

Em pronunciamento, o senador piauiense Marcelo Castro (MDB) defendeu que a reafirmação do fim das coligações garante o fortalecimento dos partidos políticos.

"Em 2017, nós demos um passo muito decisivo no sentido de fortalecer os partidos políticos, que foi a proibição de coligações proporcionais, que, na prática, é a negação da existência do partido político. Esse avanço nós vamos concretizar, impedindo que as coligações proporcionais retornem ao texto constitucional", disse.

Aprovado pelo Congresso Nacional em 2017, o fim das coligações até agora só foi aplicado nas eleições para vereadores no ano passado. A formação de coligações permitia a união de partidos diversos em um único bloco para a disputa das eleições.

Senador Marcelo Castro


POUCAS E BOAS

VOTO DOBRADO

A PEC estabelece a contagem em dobro dos votos dados a mulheres e negros para Câmara dos Deputados, para fins de distribuição de recursos dos fundos partidário e eleitoral, até 2030. 

"Se um candidato a Deputado Federal for pardo ou preto e tiver 100 mil votos para efeito de fundo partidário e de fundo eleitoral, serão contados 200 mil votos. Isso é um passo gigantesco no sentido de fazer com que os negros e as mulheres tenham uma participação maior na política", explicou Castro.

DIVÓRCIO PARTIDÁRIO

A proposta também muda critérios de fidelidade partidária, acabando com a punição de deputado ou vereador que mudar de partido em caso de concordância da legenda, ou seja, não perderão o mandato se o  partido concordar com a saída. O senador Marcelo Castro brincou e disse que o artigo garante um "divórcio" amigável.

"É uma anuência do partido para aquele membro que esteja insatisfeito e queira sair. Eu chamaria esse artigo de um divórcio consensual, amigável. Hoje não pode fazer, porque a legislação não permite. Nós estamos, então, permitindo que haja esse divórcio e a pessoa, então, possa partir", disse o senador.

POSSE DO EXECUTIVO

O texto aprovado também altera a data da posse do presidente da República para 5 de janeiro e governadores para 6 de janeiro. A mudança é válida para os eleitos a partir de 2026. A justificativa é de que a posse no dia 1º de janeiro, como é atualmente, dificulta a participação de autoridades e personalidades de outros lugares.

SOBRAS ELEITORAIS

O Senado também aprovou o o Projeto de Lei (PL) 783/2021, que altera as regras para a distribuição das chamadas "sobras eleitorais", que as vagas não preenchidas após a aplicação do quociente eleitoral (divisão do total de votos válidos pelo número de cadeiras) nas eleições proporcionais.

O texto aprovado estabelece que só poderão concorrer aos lugares remanescentes aqueles partidos que obtiverem ao menos 80% do quociente eleitoral. Também só podem concorrer à distribuição das vagas os candidatos que tenham recebido pelo menos 20% do quociente eleitoral.

"Nós entendemos que o projeto é razoável. Um partido que não tenha nem 80%, evidentemente, não deve participar das sobras. E já que o partido não alcançou o quociente eleitoral, se exige do candidato que ele tenha, pelo menos, 20% do quociente eleitoral para ter alguma representatividade e chegar aqui respaldado pelo voto popular", defendeu Marcelo Castro.