PORTAL DOUGLASCORDEIRO.COM

Lagoa de Parnaguá-PI seca. Um milhão de peixes mortos

É visível o impacto na economia da região. A pastagem seca, o gado magro e muitos animais sem ter o que comer e beber

Por Redação
18/09/2018, às 14:09 - Atualizado em 18/09/2018, às 01:09

A falta de água na Lagoa de Parnaguá é um dos maiores exemplos que a região Sul do Piauí vive o maior colapso ambiental da história. A lagoa está seca, morta. Com ela, morreram também mais de um milhão de peixes, além de sua enorme biodiversidade: diferentes tipos de plantas, animais e microrganismos importantes para manter vivos a fauna, a flora e todo o ecossistema.

Os desmatamentos e as queimadas são as principais causas do assoreamento dos rios e lagos desta região. O cenário é desolador, triste. O colapso hídrico chegou ao fundo do poço. O abastecimento de várias cidades da região está comprometido. As águas que ainda restam são de péssima qualidade.

É visível o impacto na economia da região. A pastagem seca, o gado magro e muitos animais sem ter o que comer e beber. No mês de março deste ano a secretaria de Meio Ambiente do Estado em parceria com a Prefeitura de Parnaguá, fizeram o povoamento da lagoa colocando cerca de um milhão de peixes (alevinos).

Segundo o secretário municipal de meio ambiente, Carlos Sobral, não há mais vida na lagoa. 

“A morte da lagoa é uma catástrofe anunciada. Se não houver a preservação dos rios Corrente e Paraim, principais afluentes, a lagoa vai desaparecer em pouco tempo”, alertou o secretário.

Sobral disse ainda que a prefeitura de Parnaguá já começou as obras de desobstrução do leito do rio Paraim, para que as águas do rio no período das chuvas, chegue à lagoa. A última chuva a cair na região foi há seis meses, a previsão meteorológica pra as próximas é para o mês de novembro, quando a situação estará bem pior.

O ambientalista Absalão Castro, presidente da Fundação Lagoa de Parnaguá – FULAPA, há 20 anos vem alertando sobre a degradação nas margens da lagoa. Em 2009 ele conseguiu por meio de um decreto municipal que fosse transformado cerca de 70 mil hectares em Parque Ambiental Municipal e em Área de Proteção Ambiental –APA Lagoa de Parnaguá, 9.600 hectares.

Para Israel Guerra, presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Gurguéia, é preciso unir forças; governos e sociedade civil, para juntos, buscarem soluções para a revitalização de uma das maiores lagoas naturais da região Nordeste, que possui 12 quilômetros de extensão por seis de largura.

Lagoa de Parnaguá

Com informações do Portal Fort Notícias.

nossas redes sociais