Teresina saiu de 19% para 31% em saneamento básico

Para a empresa os investimentos estão conseguindo resolver problemas como abastecimento de água, hoje com duas regiões ainda com problemas maiores

28 de fevereiro de 2019, às 12:45 | Wesslley Sales

Tubulação antiga, sem mapeamento e ligações clandestinas na rede de esgoto. Esses são apenas alguns dos problemas enfrentados pela Águas de Teresina. Um dos desafios é a cobertura de saneamento básico na capital, mas, de acordo com a empresa, já se avançou muito em menos de dois anos de trabalho.

“Hoje todo o esgoto coletado é tratado. Saneamento básico em Teresina, quando assumimos, tinha cobertura de 19%. Extraoficialmente, porque ainda será validado pela Agencia, chegamos a 31%. Um grande avanço”, disse Cleyson Jacomini.

O contrato de subconcessão do governo do Estado com a Águas de Teresina é de 30 anos. Para a empresa os investimentos estão conseguindo resolver problemas como abastecimento de água, hoje com duas regiões ainda com problemas maiores.

“Áreas do extremo leste e meio norte de Teresina , que compreende bairros como Vale Quem Tem e Vila Bandeirantes, precisamos incrementar infraestrutura, onde temos problemas desde produção de água, ao tamanho da rede para levar na pressão necessária o abastecimento. Região Norte conseguimos solucionar e garantir melhor abastecimento. No nosso contrato é até 2020 universalizar abastecimento de água e no esgotamento sanitário atingiria 40% até 2020 e 90% em 16 anos. Os investimentos estão acontecendo e vamos avançar”, finalizou Cleyson Jacomini.

Cleyson Jacomini, Diretor-Presidente da Águas de Teresina


Coluna Passando a Régua

REDES SOCIAIS