Mulher mente para proteger ex-namorado e é denunciada em THE

O Ministério Público denunciou Igor Araújo de Souza e Vinícius Alves da Silva, pela prática de latrocínio e Maria da Conceição Sena por autoacusação falsa

Por Plínio Castelo
08/10/2019, às 10:00 - Atualizado em 09/10/2019, às 17:31

Um fato novo surgiu na investigação sobre assassinato do analista judiciário, Francisco das Chagas Campelo e Silva, morto a tiros, em um bar, no Bairro Tancredo Neves, Zona Sudeste de Teresina.

Logo após o latrocínio, roubo seguido de morte, Maria da Conceição Sena declarou que estava no carro com os criminosos e que um adolescente teria atirado. 

O depoimento foi dado aos policiais do 22º DP, que fica na Santa Maria da Codipi, Zona Norte de Teresina.

O crime foi investigado pelo DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) que concluiu o inquérito e descobriu que Maria da Conceição Sena mentiu com o propósito de proteger o ex-namorado, Vinícius Alves da Silva que junto com Igor Araújo de Souza teriam matado Francisco das Chagas. A versão dela foi desmentida por imagens de câmeras, depoimentos, inclusive do comparsa de Vinícius Alves.

O Ministério Público denunciou Igor Araújo de Souza e Vinícius Alves da Silva, pela prática de latrocínio e Maria da Conceição Sena por autoacusação falsa ao afirmar que havia participado do crime que ela não cometeu.

DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) / Foto: Portal GP1

VEJA MATÉRIAS SOBRE O CASO

Analista Judiciário piauiense é morto a tiros em Teresina

Carro de analista judiciário morto em Teresina seria vendido

nossas redes sociais