Presos com 1 tonelada de cocaína em Teresina voltam à prisão

O Ministério Público considerou a possibilidade de fuga dos réus, a necessidade de contenção da organização criminosa, a periculosidade dos presos e os riscos à saúde e à ordem pública

14 de janeiro de 2020, às 13:00 | Ravi Marques

A 2ª Câmara Especializada Criminal do Tribunal de Justiça do Piauí aceitou o pedido feito pelo Ministério Público e decretou novamente a prisão de André Luís de Oliveira Cajé Ferreira, Vagner Farabote Leite e Alexandro Vilela de Oliveira presos em dezembro do ano passado em Teresina, suspeitos de integrarem uma quadrilha que praticava tráfico de drogas. A decisão atendeu a um recurso apresentado pela 20ª Procuradoria de Justiça, que solicitou a reconsideração da decisão do desembargador José Ribamar Oliveira.

No último dia 26 de dezembro, um membro do Tribunal de Justiça, durante o plantão judicial, concedeu habeas corpus que libertou os três presos. A decisão dessa terça-feira (13/01), foi proferida pelo desembargador Joaquim Dias de Santana Filho.

Na última quinta-feira (09/01), o Ministério Público do Piauí pediu a reconsideração da decisão de soltar os suspeitos, por entender que a manutenção da prisão preventiva dos três era necessária para garantir a ordem pública e a aplicação da lei penal.

Além disso, o Ministério Público considerou que existia a possibilidade de fuga dos réus, a necessidade de contenção da organização criminosa, a periculosidade dos presos, os riscos à saúde e à ordem pública. O recurso foi assinado pela procuradora de Justiça Zélia Saraiva Lima. A atuação no processo resulta de trabalho conjunto do Núcleo das Procuradorias Recursais do Ministério Público, composto pela 19ª e 20ª Procuradorias de Justiça.

Os acusados foram presos em flagrante, no último dia (10/12/19) em Teresina, com mais de uma tonelada de cocaína, e ainda, na posse de duas aeronaves.

Acusados estavam em liberdade

VEJA MATÉRIA RELACIONADA

Justiça solta acusados de traficar uma tonelada de cocaína no Piauí


Coluna Passando a Régua

REDES SOCIAIS