Quadrilha que explodia bancos é condenada pela justiça do Piauí

As penas variam de 2 a 12 anos de prisão e multa por furto qualificado, sequestro, dano a bem público, associação criminosa, receptação e disparo de arma de fogo

Por Ravi Marques
10/11/2019, às 09:30

Seis criminosos que pertencem a uma quadrilha especializada em explosões de caixas eletrônicos foram condenados pela justiça após três anos esperando julgamento presos. De acordo com a denúncia, o grupo atuava nos estados do Piauí e Maranhão nos anos de 2016 e 2017.

A condenação foi a pedido do Ministério Público Federal e as penas variam de 2 a 12 anos de prisão e multa por furto qualificado, sequestro, dano a bem público, associação criminosa, receptação e disparo de arma de fogo.

Diego Henrique, Derlean Lisboa e Kassio Magno, segundo a Ação Penal ajuizada pelo Ministério Público Federal, explodiram a agência da Caixa Econômica Federal da Avenida Barão Gurgueia, Zona Sul de Teresina, no dia 6 de setembro de 2017 e levaram quase R$ 21 mil. Para isso, segundo o MPF, eles sequestraram o vigilante a atiraram para todos os lados com o objetivo de intimidar populares e a polícia. As armas usadas foram pistolas calibre ponto 40. 

Com o dinheiro em mãos os três homens liberaram o vigilante e entraram em uma van e fugiram. Com a explosão dos caixas eletrônicos a agência ficou destruída e precisou ser fechada para uma reforma. Após investigações os três suspeitos foram presos e a van usada para a fuga foi apreendida.

Os outros três condenados acusados de pertencerem a mesma quadrilha são: Cláudio Silvano, Edielson de Sousa é Warlon Thierri.

Segundo a denúncia do MPF, entre 2016 e 2017 a quadrilha explodiu as agências da Caixa Econômica Federal de Timon (MA), Banco do Brasil de Codó (MA), Banco do Brasil do Bairro São Cristóvão de Teresina (PI), além de caixas eletrônicos nos municípios piauienses de Picos, Jerumenha e Marcos Parente.

A quadrilha foi presa em 2018 durante Operação Metalon, deflagrada pela Polícia Federal.

A condenação foi a pedido do Ministério Público Federal / Foto: Portal GP1

nossas redes sociais