Traficantes alugavam armas e faziam delivery de droga em Barras-PI

A investigação deve apontar se homicídios eram praticados pela quadrilha, principalmente sobre quem compra droga e não consegue pagar, e por isso é marcado para morrer

Por Ravi Marques
09/12/2019, às 10:00 - Atualizado em 09/12/2019, às 04:09

Em entrevista exclusiva ao Portal Douglas Cordeiro, o delegado Alisson Macêdo, da cidade de Barras, Norte do Piauí, revelou que funcionava um forte esquema de aluguel de armas de fogo e delivery de drogas na região.

Tudo foi descoberto durante a "Operação Rota Negra", deflagrada pela Polícia Civil na última sexta-feira (06/12), onde foram presas dezessete pessoas suspeitas pelo crime de tráfico de drogas. Segundo o delegado, através das investigações para desarticular a organização criminosa, foi descoberto o esquema de aluguel de armas de fogo, principalmente para pessoas viciadas em drogas.

"Através dessa operação, nosso objetivo também é evitar crimes patrimoniais contra a sociedade que o tráfico de drogas desencadeia, porque o usuário de entorpecentes vai assaltar para comprar a droga. O traficante viu isso como um bom negócio financeiro, ele aluga armas para esses viciados para eles praticarem os assaltos e com o produto roubado ou furtado, trocam por drogas ou vendem o material e compra a droga, paga o aluguel da arma e devolve ao traficante. Esse esquema funcionava com a quadrilha que prendemos na operação", revelou o delegado.

O titular da delegacia de Barras falou ainda que na cidade existia uma espécie de delivery da droga. O usuário fazia o pedido por telefone e a entrega era feita em minutos.

"Exista uma movimentação intensa de motos nas bocas de fumo que estouramos. A pessoa encomendava e recebia a droga igual é feito com pedidos pelo iFood. As vendas eram no atacado e no varejo, e a entrega era feita em motos", falou Alisson.

O delegado Alisson Macêdo não deu outros detalhes do esquema porque, segundo ele, o inquérito ainda não foi fechado, porém falou que a investigação deve apontar se homicídios eram praticados pela quadrilha, principalmente sobre quem compra droga e não consegue pagar, e por isso é marcado para morrer.

"Sobre os muitos detalhes vamos reservar as informações à justiça. Depois da conclusão do inquérito vamos divulgar mais coisas. Estamos levantando também quando era a rota da droga até chegar em Barras. E vamos também divulgar os valores dos alugueis das armas de fogo dos mais diferentes calibres", finalizou o delegado Alisson Macêdo.

A "Operação Rota Negra" foi deflagrada pela Policia Civil / Foto: Portal GP1

nossas redes sociais