Polícia identifica acusado de espalhar notícias falsas no Piauí

No início de 2020 foram instaurados Inquéritos Policiais para apurar crimes contra a honra praticados contra autoridades públicas

16 de abril de 2021, às 12:00 | Editoria de Polícia

Polícia Civil do Piauí, por meio da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática - DRCI, com apoio da Diretoria de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública – DINTE/SSP, deflagrou a fase ostensiva da Operação Fake News em 15 de abril de 2021 com o cumprimento de um mandado de busca e apreensão na cidade de Teresina.

No início de 2020 foram instaurados Inquéritos Policiais para apurar crimes contra a honra (calúnia, difamação) praticados contra autoridades públicas no Piauí em redes sociais (Facebook e WhatsApp). 

Dentre as vítimas iniciais havia o Governador do Estado, Secretários de Estado, Deputados Estaduais, Prefeitos e pré-candidatos a Prefeito. Com o avanço do trabalho policial a DRCI observou indícios de que os ataques partiam de um mesmo investigado, e possivelmente estariam sendo financiados com recursos públicos.

Surgiram como vítimas, no curso da investigação, o então Juiz eleitoral de Valença do Piauí, uma vereadora e um pré-candidato a Prefeito dessa mesma cidade. 

Com afastamento de sigilo bancário e colaboração do Tribunal de Contas do Estado - TCE, se demonstrou que o investigado, autor direto dos crimes, recebia recursos, sem licitação ou contrato prévios, da Prefeitura de Valença do Piauí, durante o período de execução dos crimes.

“O investigado responsável por disseminar as agressões nas páginas e perfis falsos confessou a prática em interrogatório policial, afirmando que os ataques às autoridades de Valença do Piauí tinham como mentor o então Secretário de Governo da cidade, em 2020. Quanto aos ataques a líderes dos partidos PT e PR em Teresina, o investigado afirmou ter sido contratado por um marqueteiro do Ceará, que atuava para um partido adversário destes nas eleições da capital, também em 2020”, disse o delegado. 

Segundo a autoridade policial, a confissão do investigado foi corroborada por elementos de prova técnica colhidos no Inquérito Policial (afastamento de sigilo bancário e de dados).

 "A quantidade de perfis e grupos em redes sociais manipulados pelos investigados com objetivo de manipular a opinião pública com objetivos eleitoreiros caracteriza verdadeiro ato atentatório à democracia", explica.

Nesse sentido, novas diligências serão realizadas para delinear a participação de demais pessoas nos crimes. 

"A Polícia Civil alerta à população em geral que crimes cometidos em meio virtual, como quaisquer crimes, são passíveis de responsabilização e a Instituição tem o conhecimento técnico e ferramentas necessárias para a realização da investigação policial", avisa o titular da DRCI.

Delegado Anchieta Nery


Coluna Passando a Régua

REDES SOCIAIS