Assembleia Legislativa aprova criação de Escola Militar no Piauí

A matéria polêmica dividiu a base do governo na casa, deputados de esquerda rejeitaram a medida, porém a matéria foi aprovada sem ressalvas em plenário

Por Tarcio Cruz
27/09/2019, às 11:00

Deputados aprovaram na Assembleia Legislativa do Piauí um projeto que cria o colégio estadual Militar. A nova unidade educacional ficará na Zona Leste de Teresina e receberá mais de 500 alunos com uma metodologia disciplinar militar. 

O projeto é um embrião e outras escolas militares deverão ser instaladas em todo o Estado. A matéria polêmica dividiu a base do governo na casa, deputados de esquerda rejeitaram a medida, porém a matéria foi aprovada sem ressalvas em plenário.

Autor da matéria o deputado estadual Coronel Carlos Augusto comentou como funcionará o projeto e cobrou mais disciplina na educação atual. 

“A implantação das escolas militares é um projeto que eu acredito. Queremos dar um direcionamento para fazer esse casamento entre a educação e a disciplina que tem feito muita falta nesses colégios nossos, principalmente nos colégios públicos. Acredito em um colégio que o aluno respeita o professor, chama o professor de senhor, peça permissão para entrar na sala de aula, no colégio, na sala de aula essa orientação do professor sobre o aluno tem que prevalecer, assim que foi no meu tempo”, disse o deputado.

De acordo com o parlamentar os militares não interferirão no conteúdo pedagógico apenas coordenando a unidade educacional. 

“Essa escola ficará subordinada a Polícia Militar e a secretaria de educação, a coordenação da escola sob a diretória de ensino da Polícia Militar, com oficiais preparados e formados na área de educação, e a coordenação pedagógica sobre a orientação da Secretaria de Educação. Nós não desejamos e nem pretendemos interferir na questão do ensino em si, que será direcionado pela Secretaria de Educação e pelo Ministério de Educação como é feito em todo país”, finalizou o deputado.

Deputado Estadual Coronel Carlos Augusto

nossas redes sociais