"A vacinação da polícia vamos tratar com Bolsonaro", diz Abreu

Durante uma reunião com representantes do Ministério da Saúde, ninguém justificou a definição das prioridades

22 de março de 2021, às 08:00 | Douglas Cordeiro

Em entrevista ao Portal Douglas Cordeiro, o Deputado Federal Fábio Abreu (PL-PI), criticou os critérios utilizados pelo Ministério da Saúde, na definição dos grupos prioritários para vacinação contra a COVID-19.

Ele citou o caso dos policiais, que pela ordem, serão vacinados depois dos presos. O assunto causou revolta e tem sido alvo de críticas por parte da categoria.

“Logo no início do enfrentamento a COVID-19, os profissionais da saúde, da vigilância sanitária e os policiais trabalharam na linha de frente de combate a pandemia. É normal que no momento da vacinação eles também sejam prioridade. Quando se tem alguma denúncia, problema de aglomeração, quem resolve são os policiais”, disse o parlamentar.

Durante uma reunião com representantes do Ministério da Saúde, ninguém justificou a definição das prioridades.

“Semana passada tivemos uma reunião com representantes do Ministério da Saúde, da FIOCRUZ e do Instituto Butantan. Perguntei a representante do Ministério da Saúde não disse como se estabeleceu esta prioridade. Tenho certeza de que é uma posição discriminatória. Nós não vamos aceitar. A bancada da segurança pública está unida e vamos solicitar do presidente da República que mude e faça a justiça a estes profissionais”, revelou Fábio.

Fábio Abreu disse que o assunto será discutido com o presidente da República.

“Não se justifica não termos os policiais como prioritários. Fizemos um requerimento para o COE Nacional (Comitê de Operações Emergenciais) e para o presidente Jair Bolsonaro. A Bancada da Segurança Pública está aguardando essa conversa com o presidente Bolsonaro para que se possamos sanar esta terrível falha”, comentou o deputado.

O parlamentar piauiense confirmou que a bancada da segurança pública está unida em torno do assunto.

“Na votação do auxílio emergencial, o governo federal incluiu um destaque proibindo progressão, promoção e reposição salarial. Nós nos posicionamos contra e o governo teve que recuar e retirar estes destaques. Caso, contrário teria sofrido sua maior derrota”, garantiu Abreu.

Deputado Federal Fábio Abreu


Coluna Passando a Régua

REDES SOCIAIS