"Mudança, novas práticas e olhar para o futuro", diz Marcelo Castro

O senador piauense foi eleito tesoureiro nacional do partido na eleição do MDB que ocorreu neste domingo

Por Congresso em Foco
06/10/2019, às 16:20

Líder do MDB e autor da proposta de reforma tributária da Câmara, o deputado Baleia Rossi (SP) assume a presidência nacional do MDB neste domingo (06/10). Aos 47 anos, Rossi será o presidente mais jovem da história do partido. É uma conquista que se concretiza através de uma candidatura única, apoiada por nomes tradicionais e também pela juventude do partido, mas que traz um grande desafio para o deputado: recuperar a relevância do MDB com um discurso que alie a história da sigla com o desejo de renovação política que emana da sociedade.

Em entrevista ao Congresso em Foco, Baleia Rossi admitiu que  assume o MDB neste domingo, na convenção nacional do partido em Brasília, com a missão de aproximar a sigla da população. 

"O primeiro objetivo, que era recuperar a unidade do partido, nós já conseguimos. Agora, nosso grande desafio é reconectar o partido com os anseios da sociedade", afirmou o novo presidente do MDB, que promete ouvir a militância nas decisões estratégicas do partido daqui para a frente. "O MDB é o partido que mais filiados tem no Brasil. Então, queremos deixar de ter uma executiva nacional que imponha as bandeiras, para discutir as novas bandeiras com a militância. Temos histórias de luta em favor do Brasil, pela justiça social e pela democracia. Bandeiras caras à sociedade. Mas a sociedade mudou e nós precisamos acrescentar novas bandeiras ao MDB", afirmou Rossi.

Questionado sobre quais bandeiras serão essas, o deputado disse que a resposta virá das consultas que fará à militância nos próximos meses. 

"Vamos adotar a 'votocracia' na nossa gestão, que é respeitar a vontade popular através do voto. Ninguém faz nada sozinho. Se tivermos uma gestão democrática, temos mais chances", argumentou Rossi, lembrando que sua própria candidatura é resultado desse esforço coletivo.

Ele admitiu, por sua vez, que o combate à corrupção, que tem feito outros partidos ganharem força no Brasil, está no radar do MDB. Talvez seja por isso que, ao invés de nomes tradicionais como Michel Temer e Romero Jucá, que já apareceram em denúncias de corrupção, seja uma figura "nova" como Baleia Rossi que vai assumir a presidência do MDB. 

"É uma bandeira que precisa ser seguida pelo MDB, porque é algo que precisa ser discutido, é um anseio da população. Mas claro que dentro do processo legal, com ampla defesa e presunção de inocência", afirmou Baleia Rossi.

Ele disse que promete enfrentar essa questão da luta pela ética que é cara a toda a sociedade sem ser um tribunal que desrespeita as decisões da justiça.

Sobre o legado histórico que vai tentar preservar mesmo com a entrada dessas novas bandeiras, Rossi disse que o grande objetivo do MDB é a defesa da democracia, que traz resultados como a justiça social, a geração de empregos e oportunidade. 

"Não dá para aceitar um país com 20 milhões de desempregados e mais sete milhões de pessoas que nem estudam nem trabalham. Temos que reverter esse quadro", afirmou.

Além de renovar o MDB, Baleia Rossi tem a missão de recuperar a relevância da sigla. Afinal, apesar de dizer que continua sendo o maior partido do Brasil, o MDB perdeu relevância nacional nas últimas eleições. E é por isso que, apesar de ter renovado todos os nove cargos executivos do diretório nacional, o novo presidente do MDB manterá nomes experientes por perto. Romero Jucá, que assumiu a presidência da sigla depois de Michel Temer e hoje entrega o cargo a Rossi, por exemplo, continuará com direito a voto na executiva nacional.

"Todas as lideranças que estão participando desse processo [de eleição da diretoria] entendem que precisamos nos preparar para 2020. Tanto é que chamei os três governadores para que sejam membros da executiva nacional, tanto o Ibaneis Rocha, que foi muito importante para conquistarmos a unidade do partido, quanto Renan Filho e Helder Barbalho, além dos quatro prefeitos de capital. Precisamos escutar a experiência de quem já disputou voto e enfrentou a dificuldade da conquista da confiança da população para estabelecer as metas do partido", argumentou Rossi.

É certo, então, que o MDB vai tentar chegar com o maior número de candidatos possíveis nas eleições municipais do próximo ano. Já sobre os planos para 2022, Baleia Rossi prefere deixar em aberto. Apesar das conversas de que o MDB pode se unir ao DEM para lançar uma candidatura única na próxima eleição presidencial, talvez em torno de nomes como o de Rodrigo Maia, Rossi afirmou que pela, postura histórica de ser protagonista, é natural que o MDB deseje ser cabeça de chapa em 2022. Ele destacou, contudo, que isso tudo ainda será conversado.

"Vamos preparar o partido. Queremos sair de 2020 como o maior partido do Brasil e depois vamos dialogar com outros partidos que sejam do centro-esquerda ou do centro-direita e que comungam dos mesmos ideais que a gente. O diálogo é muito importante para a política, principalmente neste momento em que vemos a radicalização do debate. Se conseguirmos um diálogo amplo, a chance de acertamos é maior. E, para isso, também vamos dar voz à militância", desconversou Rossi, que se disse disposto a conversar com o DEM, mas também com PP, PTB, PSD, PSDB e PDT.

O senador piauense Marcelo Castro foi eleito tesoureiro nacional do partido. 

"A palavra de ordem é mudança, renovação, novas práticas, olhar para o futuro, respeitar o nosso passado mas sintonizado com os novos tempos. Precisamos fazer um trabalho em favor do Brasil evitando os extremismo", disse o senador.

Senador Marcelo Castro (MDB-PI)

nossas redes sociais