Servidores vão a Assembleia para evitar a privatização dos Correios

Os representantes do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios no Piauí pediram o apoio dos parlamentares estaduais para que a empresa não seja privatizada

Por Tarcio Cruz
27/09/2019, às 13:28

A proposta de privatização da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos foi debatida, hoje (26), em audiência pública na Comissão de Administração Pública e Política Social, acatando requerimento do deputado Francisco Limma (PT), líder do Governo. Os representantes do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios no Piauí pediram o apoio dos parlamentares estaduais para que a empresa não seja privatizada.

A audiência pública, que foi presidida pelo deputado Evaldo Gomes (SOLIDARIEDADE), na sala da Comissão de Constituição e Justiça, contou com a presença, dentre outros, do diretor nacional da Adcap (Associação dos Profissionais dos Correios), Luiz Alberto Menezes, do diretor de assuntos jurídicos do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios, José Rodrigues, e diretor da Associação dos Aposentados dos Correios, Antônio Reis.

Ao falar no início da audiência pública, o deputado Francisco Limma disse que a reunião era importante porque a Assembleia Legislativa precisa participar dos debates sobre a privatização dos Correios, que, segundo ele, presta relevantes serviços à população piauiense, contando com 197 agências e 1.406 funcionários no estado.

O diretor da Adcap, Luiz Alberto Menezes, disse que os Correios garantem o funcionamento do comércio eletrônico no Brasil, pois são responsáveis pelo transporte de 90% dos produtos adquiridos pelos consumidores via internet. 

“A Empresa dos Correios e Telégrafos tem balanço financeiro positivo”, garante Luiz Menezes, assinalando que somente oito países do mundo contam com serviços privados de correspondência.

Em seguida, o diretor de Assuntos Jurídicos do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios, José Rodrigues, assegurou que não procede a informação de que funcionários da empresa ganham salários de marajás, pois 80% deles têm remuneração que oscila entre R$ 1,7 mil e R$ 2,5 mil. José Rodrigues assinalou que o número de funcionários dos Correios vem diminuindo, tendo sido reduzido de 127 mil para 99 mil nos últimos anos.

Ao final da audiência pública, o superintendente de Relações Sociais do Estado, ex-deputado João de Deus, sugeriu uma ação da ALEPI junto a bancada federal para tentar barrar a privatização. A proposta também foi defendida pelo deputado Francisco Limma.

“Aqui na Assembleia Legislativa eu vou apresentar um requerimento destinado ao Ministério da Economia, a Secretaria Especial de Desestatização, ao gabinete da chefia da Casa Civil, ao Senado Federal e Câmara dos Deputados, a bancada federal do Piauí no Congresso, manifestando a posição desta Casa contrária a a privatização dos Correios. Vamos usar todas as informações e dados apresentados aqui pelas categorias também para embasar esse documento”, adiantou o deputado Francisco Limma, líder do Governo na Alepi.

Edilson Soares, presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios do Piauí, repudiou o governado federal pela tentativa de privatização e denunciou que “mentiras” estãos endo espalhadas para embasar a privatização. 

“O mundo inteiro vive o movimento de reestatização de suas empresas e o Brasil caminha no rumo contrário. Com a privatização dos Correios, somente o povo vai perder. No Piauí, serão 1400 trabalhadores demitidos”, advertiu, lembrando todas as privatizações que aconteceram no país e as reclamações sobre os serviços prestados depois dessas privatizações.

O presidente da Associação de Moradores do Monte Castelo, Paulo Parada, também alertou que a população vai perder muito com a privatização. 

“Vamos perder um ótimo serviço prestado à nação, que será substituído pelo desemprego, fechamento de agências em todo o país e o aumento das tarifas postais”, previu.

Assembleia Legislativa do Piauí

nossas redes sociais