Deputado quer proibir venda de refrigerantes nas escolas

Estudos mostram que, cada vez mais, uma das maiores fontes de gordura e açúcar na dieta infantil vem dos lanches escolares

Por Tarcio Cruz
12/09/2017, às 00:28

Um projeto de autoria do deputado estadual Luciano Nunes (PSDB) prtende proibir a venda de refrigerantes nas escolas de educação básica públicas e privadas do Estado. A matéria foi apresentada durante sessão ordinária da última segunda (11/09) e afirma em seu texto que os sistemas de ensino deverão estabelecer as normas e procedimentos para o cumprimento da Lei no âmbito de suas respectivas redes de ensino. 

Estudos demonstram que uma das maiores fontes de gordura e açúcar na dieta infantil vem dos lanches escolares, que cada vez mais se reduzem a alimentos industrializados e pouco saudáveis, quando não nocivos à saúde. A obesidade infantil é uma enfermidade crônica que é acompanhada de múltiplas complicações como o diabetes, o aumento dos níveis de colesterol no sangue, a hipertensão arterial e outros problemas cardiovasculares.

Deputado Estadual Luciano Nunes (PSDB)

Segundo Luciano Nunes, autor do projeto, a proposta leva em consideração os riscos relacionados ao excesso de consumo de bebidas açucaradas e o aumento dos casos de sobrepeso e de obesidade na infância e adolescência. 

“Crianças e adolescentes brasileiros passam boa parte do dia no ambiente escolar, portanto, é essencial que esse espaço favoreça escolhas alimentares saudáveis e evite a oferta de produtos ultra-processados, como refrigerantes. A obesidade infantil vem crescendo a cada dia, cinco vezes nos últimos 20 anos no Brasil e já atinge cerca de 10% das crianças brasileiras. Um dos grandes vilões da obesidade infantil é o consumo indiscriminado de alimentos de alto teor energético e pouco nutritivos. Daí a importância desse projeto, que busca uma alternativa para combater esse problema”, disse Luciano Nunes.

O projeto segue agora para tramitação nas comissões especiais e se aprovado segue para votação em plenário. 

veja também

nossas redes sociais